Domingo, 22 de Abril de 2007

não pediria tanto, mas...

" O INTERREGNO PARA A EXCELÊNCIA"


 


Está na hora de os MILITARES reverem indigências.

Força militares! VIVA A QUARTA REPÚBLICA!

Em suma, dar a Portugal um projecto de NAÇÃO!
 



O sistema político tem vindo a degradar-se de legislatura em legislatura, por incompetência e negligência, bem como em termos de ética, moral e pudor.
Portugal vive hoje deprimido, inculto e sem auto-estima. Os políticos não souberam canalizar fundos estruturais na perspectiva do saber técnico e científico, e no desenvolvimento de uma eutrófica cultura empresarial. Hoje somos os mais pobres da Europa e olhados pelos europeus com desprezo. Todas as sociedades tiveram como base uma economia agrária; mas hoje importamos quase tudo o que comemos. Perante a avidez de grupos económicos, os políticos criam na opinião pública a ideia de que o Estado não tem capacidade para gerir empresas estratégicas. Ora se um governo não tem capacidade de gerir meia dúzia de empresas, como é que há-de ter capacidade para gerir o País? Será que amanhã num conflito com a Espanha teremos que comprar o combustível para os nossos tanques à Repsol?! Entrou-se numa escalada de privatizações e ganância que atinge os sectores mais caros e simbólicos da Democracia Ocidental, ou seja, Saúde e Segurança Social, como se aquela fosse panaceia para resolução da sua própria falência. No entanto, esta falência é o grande indicador de que este tipo de democracia está esgotado e ultrapassado, mesmo em países como França e Alemanha, tornando-se mais visível em Portugal por sermos um país menos desenvolvido, e periférico.
Deturpou-se outro tema caro à democracia: a liberdade. Sendo esta confundida com impunidade, perdendo-se a noção de valores como os da responsabilidade e da responsabilização e caiu-se num laxismo preocupante. Hoje o cidadão nem sequer tem um sistema judicial a quem possa apelar. É ainda na base desta deturpação da liberdade que certos recursos do planeta são exauridos e se conspurca e degrada o meio ambiente, sempre em nome da criação de mais riqueza.
Alguns pressupostos da implosão soviética têm paralelo com a crise da democracia ocidental, e a imposição desta liberdade, como, por exemplo, no caso da invasão do Iraque, constitui uma viragem histórica grave que pode ser em tudo semelhante à da queda do Império Romano do Ocidente, ou seja, o fim de uma era e de uma civilização, por emergência do medo e concomitante decadência dos seus paradigmas essenciais. A crise portuguesa não é só económica, mas, antes de tudo, uma crise do saber e da cultura, reflectindo também esta enfermidade do mundo ocidental.
Está na hora de os MILITARES reverem indigências, tendo a coragem de fazer nomear um governo de excelência, que seja, para todos os cidadãos, exemplo de rigor, dignidade e ética. Este interregno para a excelência teria como meta reconciliar a nossa economia com a Agricultura, a Floresta e o Mar, sectores que se encontram degradados, não valendo a pena andarmos a esmolar investimento estrangeiro de tecnologia intermédia, como frigoríficos ou rádios, quando a China os fará sempre mais baratos que nós.
Seria assumida uma nova filosofia de gestão agrária e florestal baseada apenas em critérios técnico-científicos que levassem a uma máxima potenciação da terra e da floresta, definindo-se áreas mínimas agrárias de subsistência, bem como áreas máximas de propriedade privada. A agricultura seria preferentemente de base biológica, o que traria incomensuráveis benefícios para o meio-ambiente, dando-lhe forte pendor para a exportação.
Quanto mais cidadãos trabalhassem nestes três sectores, maior seria a nossa estabilidade, tornando-nos menos vulneráveis às oscilações e crises dos processos de globalização da Economia. Humanizaria ainda o interior do País e diminuiria as tensões sociais e criminalidade nos grandes centros urbanos. O governo teria ainda como prioritárias as seguintes funções:
1º-Descontaminação de águas interiores e marítimas; criação de paisagem urbana planeada em termos de arte e humanismo.
2º-Preservação da paisagem rural ainda intacta, como santuário vivo da fauna e flora mediterrânicas. O atraso transformar-se-ia em riqueza com a implementação de novas formas de turismo e aproveitamento de recursos naturais e tradicionais daí emergentes.
3º-Reforma da administração pública, admitindo funcionários com base técnica e cultural sólida e condignamente pagos.
4º-Investir sem hesitação no ensino técnico e científico, e menos em cursos de menor interesse. Exigir aos professores catedráticos não só um ensino de qualidade mas também investigação criadora que traga ao aluno uma nova plasticidade mental e empresarial.
5º-Tornar Portugal cada vez menos dependente dos combustíveis fósseis, com estímulo de investimento estrangeiro para construção de hidroeléctricas de grande e pequena dimensão, parques eólicos e solares. Ainda neste âmbito, criar um Instituto de excelência automóvel, aproveitando o know-how existente, para o surgimento de uma marca nacional de veículos de tracção eléctrica, ou tornando realidade motores movidos a hidrogénio. Desta forma, libertar-nos-íamos do peso da factura da importação de petróleo com a consequente melhoria da nossa balança de pagamentos, melhor competitividade e melhor saúde pública.
6º-Incentivar e premiar quem trabalha e, acima de tudo, quem investe.
7º-Agravar a carga fiscal a empresas estrangeiras que apenas se servem do nosso território como filial de venda dos seus produtos.
8º-Investir na medicina preventiva e criar um imposto, que reverteria a favor de gastos nacionais com a Saúde. Tal imposto incidiria sobre tabaco, álcool, junk-food, bem como sobre todas as infracções graves ao Código da Estrada.
9º-Valorizar a família como factor de equilíbrio da Sociedade, criando uma consciência nacional de ética, desenvolvendo orgulho e auto-estima.

10º-reduzir o deficit público não à custa de quem trabalha para o Estado, mas com investimentos produtivos em vez de investimentos megalómanos como o da Ota e do TGV que só trarão riqueza a especuladores imobiliários.
11-º Em suma, dar a Portugal um projecto de NAÇÃO!

Neste período de interregno, a classe política teria tempo para meditar sobre o regime, e exigiria a si própria os mesmos critérios de rigor e disciplina que devem ser o estame de toda a actividade social. Para o efeito, surgiria um Instituto Superior de Política onde todo o cidadão que se quisesse dedicar à causa pública deveria complementar o seu conhecimento em planos transdisciplinares e pluridisciplinares, dado que política não se confina a jogar dados políticos, mas a compreender e a assumir, numa perspectiva altamente dignificante e humanizada, o melhor, ou seja, a excelência em todas as áreas do conhecimento, contemplando-se e respeitando-se tanto a biologia como a espiritualidade humana.

Forças militares! VIVA A QUARTA REPÚBLICA!

Francisco de Miranda

Independência em perigo editou às 19:49
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 6 de Abril de 2007

Perigo presente...

"O 'IBÉRISMO' NOVAMENTE"



 



Farto de ler comentários sobre o folhetim da RTPi "OS MAIORES" e da justa escolha final, foi com agrado que vi reaparecer -- para variar -- o tema do "Ibérismo" e os grandes benefícios que adviriam para Portugal se o país ignorasse os séculos de luta sangrenta e permanente contra a absorção da Lusitânia por Castela e se entregasse , sem um tiro, a mercê do Rei de Castela.

Reparem que nunca direi Espanha pois o que está em causa é Castela !
A Espanha existe em termos de uma representação a nível externo em nome de alguns dos vários povos da Península, Portugal excluído e bem.
O nome Espanha revela de certo modo um país que não existe pois tanto a Galiza, os países Bascos, a Catalunha e em menor escala as Ilhas Canárias, não sentem por Castela a afeição ou devoção ( ...e muito menos lealdade ! ) que 28% dos Portugueses dizem sentir.
Todos aqueles, que tem vivido há dezenas e dezenas de anos debaixo do canga castelhana sabem decerto um pouco mais que os imbecis portugueses que parecem querer de ânimo leve integrar o país na chamada 'Ibéria' . Esta foi inventada por alguns intelectuais portugueses e com ela alguns ainda sonham.
Então os outros que já lá estão dentro pretendem afastar-se, ter autonomia e independência própria e os parolos em Portugal querem entregar os seus 900 anos de independência, a sua autodeterminação e controle dos seus destinos a estrangeiros? Que carrada de camelos são esses senhores.

Estamos de regresso a um tema que parece levantar-se sempre que Portugal está em "crise" e certos sectores da população, frustrados -- como quase sempre acontece em todo o mundo, são geralmente os intelectuais e as classes mais privilegiadas; coitadinhos, frustram-se muito depressa ! -- por não se sentirem realizados ou bem sucedidos . Então buscam uma forma de escapismo que resulta do não querer ser mais portugueses ( chega ao ridículo de alguns, no estrangeiro, até dizerem que são de outros países por vergonha de admitir que nasceram em Portugal ! Também são muito dados a usar nomes estrangeirados contendo as letras Y, W, TH, K, LL para lhes dar uma conotação que não pareça 100% lusitana ! ) e em assumir uma nítida preferência por tudo o que é estrangeiro; ultimamente por tudo o que é e ou acontece na vizinha Castela, como se essa terra fosse um novo 'El-Dorado' na mente deste novos Quislings.

Portugal na verdade devia estar localizado em Africa , onde abundam os verdadeiros símios.
Assim seria mais plausível aos portugueses serem genuínos macacos imitadores de tudo o que vem de fora, mesmo dessas "culturas" falsificadas e comercialistas , fabricadas em Hollywood, Paris ou Londres e cujo objectivo único e vender algo ás massas estupidificadas pela propaganda comercial que lhe e metida no crânio 24 horas por dia. Alguém , e não são os portugueses, ganha muito dinheiro com a imbecilidade daqueles povos que tem mais vaidade e pedantismo do que miolos e olhinhos.

Tal cultura falsificada ( chamo-lhe "Made in Hollywood" mas hoje em dia e global) e abraçada sem hesitação pelos esquerdistas portugueses ( são supostamente anti-capitalismo, ou não ?"!) e não só.
O grupo e grande (28% é muita gente ) e compreende a juventude inexperiente e sem rumo, especialmente os filhos(as) de famílias endinheiradas, as classes intelectuais e académicas , muitos dos manga de alpaca que pululam na burocracia governamental e os novos ricos para os quais é chique ser-se de esquerda ou estrangeirado . 
É bom recordar-vos que logo a seguir ao 25 de Abril milhares dessa gente correu a filiar-se no PCP quando assumiram pelo que estava acontecendo então que Portugal ia virar comunistas, recordam-se?
Pensavam eles que se o comunismo tomasse Portugal fazendo parte da filial em Portugal do Grande Sol da Humanidade ( a U.S.S.R., no dizer do camarada 'cassetes' !)
eles estariam no lugar certo , do lado dos fortes (?), para ocupar os melhores e mais bem pagos cargos dentro da burocracia governamental marxista-leninista que ofereceria os lugares mais ambicionados por um país onde a mentalidade de mangas de alpaca impera.
Como frequentemente acontece aos oportunistas saiu-lhes o tiro pela culatra...e ao camarada Cunhal também, pois ele não conseguiu implantar o regime de "amplas liberdades" que lhe tinha sido encomendado pelos seus patrões em Moscovo durante os anos que lá esteve de férias.
Estes 'gangsters' todos haviam simplesmente esquecido que o verdadeiro POVO -- aqueles que não se envergonham de ter nascido em Portugal e que nunca deixarão que a Pátria seja vendida -- não vai com comunismos ou sequer com certos esquerdismos e correu com eles todos num abrir e fechar de olhos quando lhes apareceram líderes que souberam guiá-los na luta anti-comunista. O mesmo voltará a acontecer se as coisas continuarem a piorar e chegarmos a uma rotura social e económica total em Portugal.
Podem estar descansados -- é preciso ser-se paciente -- que é quase garantido tal vir a acontecer !.
Deixem o esquerdismo continuar a sua desgovernação e veremos o que vai suceder em 5 ou 6 anos e não só em Portugal.

Eu acho que a toda esta gentalha toda devia ser dada a oportunidade -- e o estimulo -- para emigrar para Castela.
Deixem em Portugal para os que querem ser portugueses e disso se orgulham. Poupem-lhes o ter de mais tarde julgá-los a todos como TRAIDORES que na verdade e aquilo que estão mentalmente prontos a aceitar ser. Noutros países e noutros tempos esse tipo de gente era sumáriamente julgada e fuzilada ou enforcada....mas felizmente Portugal é um país de costumes brandos e tolerante de opiniões as mais diversas ou insensatas.
Mandem-nos então para o Sapateiro em Madrid, a capital que eles querem para Portugal.
Talvez o Sapateiro lhes arranje grandes oportunidades e bons empregos como recompensa pelas suas ideias integradoras.
Por exemplo, a vender calçado fino nas lojas caras e com nomes estrangeiros em Madrid (que eles tanto adoram ) que servem a clientela castelhana endinheirada. Sim, porque este tipo de portugueses e gente de pergaminhos e não gosta de manusear pés de paisanos, só patas de gente fina ! Vender calçado permite-lhes com gente que eles muito admiram.

Então estes camaradas querem ser espanhóis porque Castela tem um melhor nível de vida, mais multinacionais lá localizadas e actuam com rapidez quando se lhes apresenta oportunidades de negócio e outras?! E acham que tudo isso apareceu sem trabalho e lhes vai ser dado partilhar só porque Portugal se entrega nas mãos do Rei de Castela ? Que corja de imbecis que assim pensa.
Como podem ser tão inocentinhos e ceguinhos? Será que acreditam que o Rei fá-los-ia Marqueses e Condes a todos, como recompensa pela traição ?
Pois bem, mais uma vez vem ao de cima o terrível complexo de inferioridade que afecta muitos em Portugal. Gente que pensa como eles não são bem parte integrante do POVO português pois fácilmente vendem-se a quem lhes der mais e contribuir para o seu bem estar pessoal.
Em vez de trabalharem mais e melhor e tentar mudar o sistema ( há eleições ou não há?) dentro de Portugal para que actue de modo semelhante aquele que tem dado tanto sucesso a Castela, preferem o escapismo. Sonham alto. Sonham em trair por conveniência pessoal.
Não entendem --nem nunca irão entender pois não pecam pela inteligência -- que tem sido o facto de terem escolhido democraticamente a via socialista para Portugal que tem criado os resultados que temos. Castela esta cheia de EMPRESÁRIOS que tem sido estimulados, acolhidos e suportados. Não foram expulsos nem são hostilizados.
Daí que haja grandes EMPRESAS e as multinacionais prefiram Madrid a Lisboa. [ bem, também temos de pensar no tamanho do mercado consumidor que e 4 x maior que Portugal e com maior poder de compra ]. Não é acidente escolherem Madrid.
Mesmo com governos socialistas Castela tem feito tudo para atrair o capitalismo pois é este que gera riqueza e trabalho. O Socialismo só consome riqueza e tira a uns (geralmente aos que trabalham ) para alimentar uma corja de milhares de inúteis (ou será que já são milhões? se ainda não é garanto-vos que vai lá chegar ...é a via socialista em acção ! ) que já se habituaram a viver á conta dos outros e que exigem sempre mais. Criam-se burocracias inteiras só para os servir. Mais empregos públicos !!!
Vocês sabem bem ao que eu me refiro. Não são só os drogados.

Noutros países e noutra época (antes dos aguas moles Socialistas terem tomado a Europa) gente que pensasse e fizesse algo para entregar a sua nacionalidade a outro país era considerada TRAIDORES e em alguns casos eram fuzilados ou enforcados. Na melhor das hipóteses eram reeducados em campos de trabalho, a moda dos Gulags soviéticos, até entenderem que a PÁTRIA NÃO SE VENDE NEM ENTREGA.

Renato Nunes

Independência em perigo editou às 22:13
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

Junho 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

pesquisar

 

Arquivos Recentes

Depois do Allgarve... esp...

Opiniões...

Palavras bem actuais...

Dá gosto viver em Portuga...

Mau serviço a Portugal

Incrível! Inqualificável!

SÓCRATES E OLIVENÇA

O estado da Nação

É sempre bom lembrar...

Só se os portugueses quis...

Arquivos

Junho 2008

Maio 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Novembro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Nossos grupos


Olivença é Portuguesa (msn)
Por Olivença (Orkut)
Por Olivença (Gazzag)
Viver Livremente (Yahoo)
Liberdade Cristã (Yahoo)
Liberdade Cristã (Gazzag)
Liberdade Cristã (Orkut)

Nossos sites


Nossos sites & Blogs
Miguel & Sylvia
Homepage de Miguel Roque
Orgulho de ser Alentejano
Liberdade cristã

Nossos Blogues


Tuga & Zuca
Filhos & Netos
Caminho de Fé
Busca primeiro o Reino
Liberdade Cristã (blog)
Viver Livremente
Alentejano de alma e coração
Alentejo Abandonado
Meu Alentejo amado
Sonho Alentejano
Povo Lusitano
Amizade, Portuga-Galiza
Aqui fala-se português
Península Ibérica
Península Ibérica-ZipNet
Republica, sim…
Independência em perigo
EU, acredito em Portugal
Portugal Ressuscitado
A Bandeira Vermelha
Bandiera Rossa
A voz do proletário
Olivença é Portuguesa
Jornal de Olivença
No meio do inimigo
Sylvinha em Portugal
Sub-blog do tapete
Vira útil
Chiquinha e nós

Defendendo Olivença


Em defesa do português Oliventino

Olivença back to Portugal
blogs SAPO

subscrever feeds

tags

todas as tags