Quarta-feira, 14 de Dezembro de 2005

Pátria


"PÁTRIA"





 


 PÁTRIA

 



O termo "pátria" está de regresso. Ainda bem: faz-nos falta um patriotismo moderno e mobilizador.

 





Quantos portugueses sabem cantar o hino nacional? Quantos conhecem o significado dos símbolos da bandeira nacional? Quantos repararam que muitas das bandeiras que puseram às janelas durante o Euro 2004 estavam mal feitas, por terem sido confeccionadas na China? Não devem ser muito entusiasmantes as respostas a estas perguntas. Depois da exploração reaccionária do patriotismo pelo anterior regime, em especial durante a guerra colonial, muitos portugueses, sobretudo os mais novos, passaram a desvalorizar os símbolos nacionais. A senti-los como algo antiquado, até com algum cheiro a mofo. A esquerda, que recordava a frase de Salazar "a pátria não se discute", eliminou mesmo o termo do seu léxico, enquanto alguma direita, atormentada pela má consciência, evitava referências que temia serem interpretadas como serôdias.
A recuperação da palavra "pátria", e da ideia de patriotismo, nesta campanha eleitoral para a Presidência da República tem suscitado algumas controvérsias curiosas, sobretudo por se situarem em áreas políticas onde o tema tem sido tabu. Mas tem uma virtude: permite-nos olhar para a idéia de "pátria" de forma mais descomplexada. E, porventura, mais útil.




Numa época em que Portugal transferiu parte substancial da soberania - designadamente a sua política monetária - para a União Europeia, numa altura em que se discute o aprofundamento da integração e se procura ultrapassar o impasse constitucional, elogiar a noção tradicional de "pátria" pode parecer contraproducente. Contudo, há uma outra perspectiva, e visitando países como a Irlanda, a Polónia, ou os países nórdicos - tudo histórias de relativo sucesso no quadro da União - compreende-se que neles se vive um patriotismo que, sem ser contraditório com a integração europeia, funciona de forma muito positiva. Lá não é necessário um campeonato de futebol para vermos bandeiras nas janelas ou nos pátios, existindo em contrapartida estudos que mostram que o sentimento patriótico é um factor positivo no desenvolvimento.



 Um deles, que já aqui citei, é o do prestigiado sociólogo Manuel Castells e procura explicar as razões do sucesso do modelo finlandês.
Nesses países, que tal como Portugal abdicaram por escolha própria de uma parte da sua soberania a favor da UE, o patriotismo é factor aglutinador que lhes permite unirem-se em torno de objectivos comuns. O patriotismo funciona tornando-os mais fortes no interior da União, não contra a União, e, de uma forma geral, também não tem conduzido a manifestações de intolerância xenófobas infelizmente comuns noutros países.




Olhando para a sua História, encontramos, relativamente a Portugal, uma enorme diferença: todos eles, de uma forma geral, sofreram para serem independentes. A Irlanda, a Finlândia ou a Polónia só no século XX se tornaram independentes. E a plena independência, uma independência não tutelada, só a conseguiram na segunda metade do século passado. Esses países e esses povos conheceram dias muito difíceis e sofridos e, para eles, o patriotismo tem um sentido positivo que têm sabido utilizar a seu favor (entre outros factores).




O que nos leva a outro tema, a que voltaremos: a importância que tem, para uma nação, a sua capacidade de sofrer e ultrapassar o sofrimento.




P.S. - Ontem o novo presidente do Irão declarou que existem países europeus onde "se insiste" que os judeus foram massacrados por Hitler, negando o Holocausto e sugerindo que Israel devia ser eliminado e, como país, transferido para a Europa. Talvez seja altura de se levar a sério os riscos que esta liderança iraniana coloca. Sobretudo se prosseguir o seu programa nuclear "pacífico".

Artigo de José Manuel Fernandes
(Director do "PÚBLICO"), Editorial do "Público", 10-Dezembro-2005.

Independência em perigo editou às 02:08
link do post | comentar | favorito
Domingo, 11 de Dezembro de 2005

Não a uma possível União Ibérica


Não a uma possível União Ibérica





 


Neste artigo pretendo dar a conhecer porque sou contra uma união em especial com Espanha, já que existem outros povos na península que perderam o estatuto de nação para virarem províncias. A acontecer uma União Ibérica, Portugal corre o risco de ir pelo mesmo caminho.


Um amigo espanhol, por quem tenho muita consideração, é defensor da “União Ibérica”. Pelo que entendo das palavras dele, meu amigo defende uma união de estados ibéricos soberanos e, claro, republicanos… Pois de monarquias ele já está farto.


Quanto à União Ibérica com Espanha é impossível. No passado tentou-se isso e o resultado foi Portugal quase a não conseguir se tornar independente, e Galiza, País Basco e outros a ficarem cativos de Castella até hoje.


Por isso, União Ibérica NUNCA MAIS. E já é tempo dos povos da Península Ibérica decidirem seu futuro. Estou me referindo ao País Basco e à Galiza em especial.


E é bom não esquecer que Espanha mantém cativa uma parcela do território português. Estou-me referindo a Olivença.

Independência em perigo editou às 14:54
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sábado, 10 de Dezembro de 2005

Apresentação


Independência em perigo




O nome deste blog dá que pensar...

Sim Portugal está em risco de perder a sua soberania quando nossos politicos
discretamente falam em "União Ibérica", quando Espanha cada vez mais é dona de
nossa economia e tantos outros assuntos que aqui iremos aprofundar.


Por um Portugal livre e democrático,
estaremos alerta para o desenrolar de qualquer situação.

Independência em perigo editou às 18:43
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

Junho 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

pesquisar

 

Arquivos Recentes

Depois do Allgarve... esp...

Opiniões...

Palavras bem actuais...

Dá gosto viver em Portuga...

Mau serviço a Portugal

Incrível! Inqualificável!

SÓCRATES E OLIVENÇA

O estado da Nação

É sempre bom lembrar...

Só se os portugueses quis...

Arquivos

Junho 2008

Maio 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Novembro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Nossos grupos


Olivença é Portuguesa (msn)
Por Olivença (Orkut)
Por Olivença (Gazzag)
Viver Livremente (Yahoo)
Liberdade Cristã (Yahoo)
Liberdade Cristã (Gazzag)
Liberdade Cristã (Orkut)

Nossos sites


Nossos sites & Blogs
Miguel & Sylvia
Homepage de Miguel Roque
Orgulho de ser Alentejano
Liberdade cristã

Nossos Blogues


Tuga & Zuca
Filhos & Netos
Caminho de Fé
Busca primeiro o Reino
Liberdade Cristã (blog)
Viver Livremente
Alentejano de alma e coração
Alentejo Abandonado
Meu Alentejo amado
Sonho Alentejano
Povo Lusitano
Amizade, Portuga-Galiza
Aqui fala-se português
Península Ibérica
Península Ibérica-ZipNet
Republica, sim…
Independência em perigo
EU, acredito em Portugal
Portugal Ressuscitado
A Bandeira Vermelha
Bandiera Rossa
A voz do proletário
Olivença é Portuguesa
Jornal de Olivença
No meio do inimigo
Sylvinha em Portugal
Sub-blog do tapete
Vira útil
Chiquinha e nós

Defendendo Olivença


Em defesa do português Oliventino

Olivença back to Portugal
blogs SAPO

subscrever feeds

tags

todas as tags